Tobias Torres - Otorrinolaringologia

Otite Média e COVID-19: Qual a relação?

CENA - Boletim Março 2021 - Versão PDF

No final do ano de 2019, em Wuhan, na China, foi identificado o surto de uma nova doença provocada por um coronavírus inédito, o SARS-CoV-2. Intitulada COVID-19, essa afecção espalhou-se rapidamente pelo mundo e alcançou o status de pandemia em Março de 2020. A COVID-19 é caracterizada por apresentar um amplo espectro de sintomas, entre eles, os mais relatados são: febre, tosse, mialgia, fadiga e dispnéia. As queixas otorrinolaringológicas de anosmia (perda completa do olfato), hiposmia (redução parcial do olfato) e disgeusia (alteração no paladar) têm alta taxa de incidência e, por isso, foram incluídas, pela American Academy of Otolaryngology – Head and Neck Surgery (AAO-HNS), nos protocolos de rastreamento de pacientes suspeitos. Além disso, uma enfermidade que tem sido associada ao SARS-CoV-2 é a otite média (OM). Publicações recentes descrevem casos de pacientes com sintomas otológicos associados a achados radiológicos (alterações específicas na tomografia computadorizada de tórax) e/ou laboratoriais (teste de reação em cadeia da polimerase positiva de swab de nasofaringe/orofaringe) compatíveis com diagnóstico de COVID-19. 

O SARS-CoV-2 utiliza a enzima conversora de angiotensina 2 (ECA-2), receptor tecidual, para ligar-se à célula-alvo e adentrar seu citoplasma. O elevado nível de expressão dessa proteína no epitélio respiratório é responsável pelo destacado tropismo do coronavírus pela mucosa das vias aéreas superiores. Por consequência, devido às especificidades anatômico-funcionais dessa região, a presença do SARS-CoV-2 na nasofaringe provocando disfunção tubária e/ou a possibilidade da sua disseminação, através da tuba auditiva, para orelha média podem favorecer o desenvolvimento da OM.? 

Relatos de casos recém publicados apontaram características epidemiológicas e clínicas que sugerem a associação entre OM e a COVID-19. Sabe-se que a OM apresenta maior incidência nas crianças, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 2/3 delas apresentam pelo menos um episódio de OM nos seus primeiros anos de vida, e nas estações frias do ano (outono e inverno) devido a relação com os quadros de infecções de vias aéreas superiores. Diferentemente, após o início da pandemia, foram observados casos em pacientes adultos, sem histórico de doenças do ouvido ou nasofaringe, com otite média e diagnóstico de infecção pelo SARS-CoV-2 durante os meses da primavera, inferindo possível influência do novo coronavírus na etiologia dessas infecções otológicas. 

Em relação às manifestações otológicas descritas nos casos associados à COVID-19, otalgia, hipoacusia e plenitude aural foram as queixas mais frequentes. No exame otoscópico, observou-se, em regra, efusão na orelha média e/ou hiperemia da membrana timpânica com ou sem abaulamento. É importante ressaltar que, em alguns pacientes, a OM foi a primeira expressão do quadro de infecção COVID-19. Apesar disso, existem poucas citações sobre a detecção do novo coronavírus no fluido da orelha média. Infere-se que possa estar relacionado ao baixo refluxo passivo da nasofaringe, à baixa predileção do SARS-CoV-2 em invadir a mucosa da fenda timpânica e/ou à técnica inadequada de detecção. 

Em virtude do limitado conhecimento sobre o potencial patogênico do SARS-Cov-2 no ouvido, tornam-se extremamente importantes as publicações que focam em estudos microbiológicos e no relato de casos de pacientes que apresentam diagnóstico de COVID-19 e sintomas otológicos associados. Entretanto, baseados nas evidências existentes, grupos de pesquisadores têm recomendado que, durante a situação de pandemia, a identificação de OM deva servir de alerta para a possibilidade de infecção pelo SARS-CoV-2. 

Autores:
Dra. Milaine Dominici Sanfins
Dr. Tobias Torres
Dr. Piotr H. Skarzynski

 

Referências consultadas: 

  1. Lai CC, Shih TP, Ko WC, Tang HJ, Hsueh PR. Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) and coronavirus disease-2019 (COVID-19): the epidemicand the challenges. Int J Antimicrob Agents 2020 Feb 17:105924. 
  1. AAO-HNS: Anosmia, Hyposmia, and Dysgeusia Symptoms of Coronavirus Disease?www.entnet.org/content/aao-hns
  1. ASHA. (Central) Auditory Processing Disorders. Working group on Auditory Processing Disorders. Technical Report p1-20 [Internet]. 200 
  1. Fidan V. New type of corona virus induced acute otitis media in adult. Am J Otolaryngol 41 (2020) 102487. 
  1. Pitkäranta A, Virolainen A, Jero J, Arruda E, Hayden FG. Detection of rhinovirus, respiratory syncytial and coronavirus infections in acute otitis media by reverse transcriptase polymerase chain reaction. Pediatrics 1998; 102 -291-295 
  1. G.P. Buzatto, E. Tamashiro, J.L. Proenca-Modena, T.H. Saturno, M.C. Prates, T.B. Gagliardi,?et al. The pathogens profile in children with otitis media with effusion and adenoid hypertrophy. PLoS One, 12 (2017), pp. e0171049 
  1. T. Heikkinen, M. Thint, T. Chonmaitree. Prevalence of various respiratory viruses in the middle ear during acute otitis media. N. Engl. J. Med., 340 (1999), pp. 260-264. 
  1. Bastos LFCS, https://www.facebook.com/pahowho.OPAS/OMS Brasil – Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus) | OPAS/OMS [Internet]. Pan American Health Organization/World Health Organization, (2020). 
  1. Raad N, Ghorbani J, Mikaniki N, Haseli S, Karimi-Galougahi M. Otitis media in coronavirus disease 2019: a case series.J Laryngol Otol 2021;1–4.? 
  1. Mohan S, Workman A, Barshak M, Welling DB, Abdul-Aziz D. Considerations in Management of Acute Otitis Media in the COVID-19 Era. Ann Otol Rhinol Laryngol. 2020 Sep 10:3489420958443.? 

11 BRITO, Sávio Breno P. et al. Immunopathological mechanisms involved in SARS-CoV-2 infection. J. Bras. Patol. Med. Lab. 2020, vol.56, e3352020.