Tobias Torres - Otorrinolaringologia - Dr. Tobias Torres - Otorrinolaringologista

Tobias Torres - Otorrinolaringologia

47 3288-0590

Rua Floriano Peixoto, 222 - Edifício Stein Tower - Sala 1303, 13º andar

89.010-500 - Centro - Blumenau / SC

Veja no mapa

Cirurgias

Você está em:
    1. Cirurgias
      1. Cirurgias do Ouvido

Cirurgias do Ouvido

Implante Coclear

O implante coclear é uma prótese auditiva de alta tecnologia cirurgicamente implantável. Está indicado para pacientes com perda de audição de grau severa a profunda nos dois ouvidos e que não possuem ganho auditivo suficiente com os aparelhos de audição. Neste procedimento, sob anestesia geral, por meio de uma incisão atrás da orelha e abertura do osso do ouvido (mastóide) insere-se a unidade do implante dentro da porção interna do ouvido (cóclea). O paciente necessita de internação hospitalar por 48 a 72hs após a cirurgia e repouso domiciliar por 7 a 10 dias. É uma cirurgia realizada em crianças a partir de 1 ano de vida e adultos. O implante coclear é ativado 30 dias após a cirurgia. Devido a complexidade dos casos que envolvem a indicação do implante coclear, os pacientes devem ter avaliação otorrinolaringológica e fonoaudiológica especializadas.

Implante Coclear

Primeira etapa

Reportagem RBS TV

Segunda etapa

Reportagem RBS TV

Implante de Condução Óssea

É um tipo de prótese auditiva fixada cirurgicamente ao osso atrás da orelha (através ou por baixo da pele) e que permite a amplificação dos sons por meio da vibração óssea. Indicada para pacientes que possuem perda auditiva decorrente de alterações anatômicas do ouvido (ex: malformações, sequelas de doenças ou cirurgias) que não permitem o uso de aparelhos auditivos convencionais. Esta cirurgia é realizada sob anestesia geral, em ambiente hospitalar e por meio de uma incisão atrás da orelha. É necessário um pernoite no hospital e repouso domiciliar por 7 a 10 dias. A prótese é ativada 30 dias após o procedimento.

Implante de Condução Óssea

Estapedotomia / Estapedectomia

É a cirurgia do ouvido reservada para pacientes portadores de otosclerose. Nesta doença ocorre uma alteração na estrutura óssea do ouvido que provoca fixação do estribo (ossículo) e consequente redução da mobilidade da cadeia ossicular. O paciente evolui com perda auditiva condutiva lentamente progressiva. No procedimento o estribo é parcialmente removido e substituído por uma prótese milimétrica de teflon ou titânio. Assim, a cadeia ossicular volta a ser mais móvel e ocorre melhora da audição. Esta cirurgia é realizada sob anestesia geral em ambiente hospitalar com necessidade de um pernoite no hospital. Executa-se uma pequena incisão (0,5-1cm) acima do tragus. Após a cirurgia, é indicado repouso domiciliar por 10 a 14 dias e proteção do contato com água até a cicatrização completa do ouvido (~2 meses).

Timpanomastoidectomia

Cirurgia do ouvido recomendada para pacientes com otites crônicas e/ou infecções persistentes que não melhoram com tratamentos medicamentosos (ex: gotas com antibióticos). A principal queixa desses pacientes é a saída frequente de pus dos ouvidos e perda de audição. Em alguns casos pode ocorrer sangramento ou dor local. Neste procedimento, sob anestesia geral e em ambiente hospitalar, através de uma incisão atrás da orelha, realiza-se a abertura do osso do ouvido (mastóide) e a limpeza da infecção existente. Nos casos de doenças iniciais e de fácil acesso, procura-se realizar a timpanomastoidectomia simples/fechada. Quando a doença é mais extensa ou de difícil remoção, opta-se por uma técnica cirúrgica mais agressiva chamada timpanomastoidectomia aberta. Após a cirurgia, todos os pacientes necessitam de um pernoite no hospital e repouso domiciliar por 7 a 10 dias. O objetivo principal da cirurgia é tornar o ouvido novamente seco. Dependendo da técnica cirúrgica, o contato com água pode ficar proibido apenas durante o processo de cicatrização do ouvido ou para sempre. Em virtude da característica de cronicidade da doença, alguns pacientes necessitarão de mais de uma cirurgia para controle definitivo da doença. Procure um especialista em ouvido.

Timpanoplastia

É a cirurgia de ouvido indicada para pacientes que possuem perfuração na membrana timpânica. Consiste no fechamento da perfuração por meio de colocação de um enxerto (ex: fáscia do músculo temporal, cartilagem da orelha) no local do defeito. Em situações ideais, com ouvidos secos por mais de 30 dias, o percentual de sucesso cirúrgico é de aproximadamente 90%. É um procedimento realizado sob anestesia geral em ambiente hospitalar com necessidade de um pernoite. De acordo com as características anatômicas do ouvido e da perfuração, pode-se executar a cirurgia através do canal do ouvido ou por um incisão atrás da orelha. Após a cirurgia, é indicado repouso domiciliar por 7 a 10 dias e proteção do contato com água até a cicatrização completa do ouvido (~3 meses). Esse procedimento que pode ser realizado em crianças e adultos.

Timpanotomia para tubo de ventilação

É o procedimento cirúrgico do ouvido tecnicamente mais simples e o mais executado. Consiste na realização de uma microincisão na membrana timpânica para colocação de um tubo de ventilação. Está indicada para pacientes que possuem problemas de ventilação da parte média do ouvido e que desenvolvem retrações timpânicas ou acúmulo de líquido atrás do tímpano. As principais queixas são abafamento da audição e perda auditiva. É feita sob sedação ou anestesia geral e através do canal do ouvido. Não necessita de cortes na pele. O paciente tem alta do hospital no mesmo dia e retorna as atividades normais no dia seguinte. Na maioria dos casos, o tubo de ventilação é eliminado espontâneamente após alguns meses, sem necessidade de reabordagem cirúrgica.

Timpanotomia Exploradora

Cirurgia indicada nos casos de doenças do ouvido que necessitam de avaliação intra-operatória para confirmação diagnóstica. Nessas afecções, os exames físico e complementares (exames de audição e imagem) não reúnem resultados conclusivos. Nesta cirurgia avaliam-se as estruturas do ouvido (membrana timpânica, ouvido médio e ossículos) em busca de um diagnóstico definitivo. Esse procedimento é realizado sob anestesia geral e pode ser executado através do canal do ouvido ou por um incisão atrás da orelha. Há necessidade de um pernoite no hospital e 7 a 10 dias de repouso domiciliar.